Aviso: Voltamos Envie seu Conto estamos aguardando, recupere sua senha caso ja foi cadastrado antes !
Já está liberada a área de Cadastro de contos. Cadastre-se e evie-nos o seu conto

A MOTORISTA DO ONIBUS

Vivi é meu apelido e resolvi escrever este relato, que é verdadeiro, pois pretendo fazer novas amizades, até porque tudo isso que me aconteceu mexeu muito comigo e conheço poucas meninas que pensam como eu.

Nasci em uma família tradicional no estado do Espírito Santo, muito rígida moralmente o que me deixava muito insegura quanto aos meus desejos e quanto à impressão de que era diferente das minhas amigas. Sempre fui muito estudiosa e ainda muito cedo fui fazer intercâmbios internacionais e estudos fora do país. Se por um lado era bem sucedida, ou seja, adorava ler, escrever, praticar esportes, enfim... por outro lado sou extremamente tímida, nunca namorava, nem ficava com os rapazes da minha idade.

Mesmo muito insegura já tinha uma desconfiança interna, difícil de admitir, de que meu interesse era outro, admirava, ficava fascinada, excitada mesmo, em olhar e fantasiar em estar com outra mulher.

Era, na verdade ainda é, um conflito muito grande e intenso, em conciliar meus desejos internos e secretos, com minha vida real e cotidiana. A solução era reprimir e vivi assim por anos.

Tudo caminhava deste modo até que recentemente me mudei para São Paulo. Formei-me em Assistência Social e vim transferida para SP, pela ONG que trabalho. Pela primeira vez na vida iria morar longe da proteção e repressão familiar. Fui designada para certos trabalhos numa cidade do ABC paulista, Diadema.

Vim com o básico, apesar da condição confortável de minha família, vim decidida à construir meu práprio destino. Toda manhã acordo bem cedo e pego meu ônibus até um terminal desta cidade. Quem conhece sabe que a maioria das motoristas de ônibus desta cidade são mulheres. Bom o fato é que como vc começa a pegar todo dia o mesmo ônibus, no mesmo horário, as pessoas vão te conhecendo e isso aconteceu comigo com uma motorista.

Já na primeira vez notei que assim que subi no ônibus, a motorista me encarou de cima em baixo. Sou loira, banquela, tenho pernas longas, cabelos compridos e sei que chamo a atenção. É claro que ela também me chamou a atenção. Aqui preciso contar mais uma coisa sobre mim: não sei como é com outras garotas lésbicas, mas comigo, sei lá... é de um jeito que ainda não entendo, na verdade é ate por isso que estou escrevendo este relato, pois tenho esperança de fazer contato com muitas garotas ou mulheres e possa conversar bastante sobre isso. O que acontece comigo é que em minhas fantasias, o que me excita muito nunca foi tipo imaginar, momentos românticos, o que me excita muito e me enloquece é um tipo de sexo um pouco mais, como dizer? Mais explícito, escancarado, sexo mesmo. É aquele tipo de sexo mais erático, pornográfico, ao contrário do romântico.

Voltando ao que relatava, assim que subi no ônibus perguntei à motorista se ela poderia me informar sobre o local onde eu deveria desembarcar, ela já de cara me falou: “ Onde vc vai princesa?”, nossa aquilo já mexeu comigo. Ela é uma mulata forte, boca grande, lábios carnudos, descolada, tipo gente do povo que se vira, faz e acontece, ao contrário de mim, uma patricinha que aos 22 anos estava saindo de casa pela primeira vez e toda frágil e insegura.

Ela puxou papo e cada vez que subia no ônibus me fazia sentar na frente ao lado dela pra que pudesse conversar comigo, me disse que já fora casada, mas hj era divorciada e que morava sá e se sustentava sozinha e muito bem. Contei também minha histária e ela se divertia com meus receios e inseguranças. Aos poucos ela foi avançando e me fazia elogios que eu ficava roxa de vergonha. Já tinha me feito convites para que eu saísse com ela para tomar um chopp, mas sou muito medrosa e sempre recusava, apesar de por dentro me molhar toda cada vez que pensava nela.

Um dia passei para ela meu MSN e quando chegava em casa a primeira coisa que fazia era entrar para ver se ela estava on-line. Foi pelo MSN que as coisas começaram a esquentar. Embora eu sá tenha trazido um computador velhinho lá de casa e de não ter cam, pois na verdade sou de usar muito pouco o computador, a gente ficava horas tc. Numa destas conversar ela confirma que desde que se separou sá saia com garotas e que adorava transar. Disse que estava loka para sair comigo e trepar. Ah... não sei escrever tudo o que ela me falava, mas ela falava exatamente o que me excitava e ate me fazia perder o controle. Como relatei acima, fico descontrolada com quem é mais direta e vai logo dizendo o que quer, ela falava cada coisa pra mim que por vezes gozava sá de ler o que ela escrevia.

Aquilo mexia muito, mas muito mesmo, comigo. Até então nunca tinham me cantado daquele jeito. Tentava com muito esforço, me controlar e recusar sair com ela. Vejam, pode parecer bobeira, mas se lembrem que tive uma formação muito rígida e nunca tinha saído nem com mulher e com garotos sá beijinhos. Mas ela começava a falar e ai ela muito sacana, sabendo que eu estava totalmente envolvida com ela, ela começou a abrir a cam e se mostrar para mim, aí foi o golpe fatal. Se eu tinha conseguido me controlar até então, depois disso não consegui mais. Ela falava tipo assim: “Olha aqui o que vc quer?”, “Olha como vou fazer com vc”, enfim... alisava seus seios, mostrava sua buceta, seu cú, tudo.

Ficava tão excitada que por vezes perdia o fôlego, me molhava inteira, até que um dia não aguentei e falei: “fala o lugar que vc quer que eu vá”, e fui. Estávamos teclando, eu a olhando, aí não aguentei, me arrumei as pressas e peguei um ônibus e saltei no ponto que ela havia falado, o carro dela já estava lá parado, me esperando.

Vcs não vão acreditar, entrei no carro e comecei a chorar. Ela me acalmou e falou: “calma princesa, vou cuidar de vc direitinho” quis me beijar, mas falei que ali na rua não, tinha medo que alguém visse. Fomos direto pra sua casa.

Tremia toda e quase não conseguia falar, estava até pálida. Ela me acalmava e falou para eu relaxar , começamos a conversar, ela foi buscar umas cervejas e depois de um tempo eu estava mais calma. Conversa vai conversa vem, as coisas começaram a esquentar, num determinado momento ela falou: “nossa vc é uma gatinha e to super afim de te comer”, nossa assim de sopetão eu fiquei sem saber o que fazer, ela nem deu tempo de um pensar e me deu um super beijo de tirar o fôlego. Nesse momento eu que nunca tinha beijado uma mulher fiquei super entregue a ela, parecia imável, hipnotizada, não tinha reação.

Me arrastou para o quarto e tirou toda a roupa, “vou mostrar pra vc o que te mostrei pela cam”. Ficou peladinha, linda, morena, e eu deitada na cama sem saber o que fazer. Veio por cima de mim e tirou toda minha roupa e eu sem dizer uma sá palavra, não conseguia tal era meu nervosismo. Assim que estávamos as duas peladas, ela veio por cima de mim e falou: “ me chupa”, eu meio sem jeito passei a língua pela buceta dela, mas ela falou: “faz com força sua patricinha putinha”. Praticamente sentou no meu rosto e me puxava pelos cabelos de forma que eu até ficava sem respirar, se esfregava com força e me xingava tipo: “puta, safada”. Aquilo me enchia de tesão, ate porque eu nem sou de falar palavrões. Depois falou: “agora o cú”. Eu fazia que não com a cabeça, ela deu um tapa na minha cara e se virou agora de costas pra mim, abriu bem a bunda , arreganhou o cú e falou: “chupa, vai puta, chupa, enfia a língua ai, enfia bem no fundo”. Novamente comecei a chorar, sentia um pouco de nojo, sei lá... mas fiz o que ela mandou. Como ela estava agora de costas para mim se agachou e começou a me chupar. Perdi totalmente o controle, chorava , gritava, misturava tudo, tesão e sei lá mais o que. Tive um gozo tão forte que acho que desmaiei, verdade. Quando acordei ou voltei a mim, ela estava do meu lado e falou: “ainda não terminamos menina”.

Quando olhei bem pra ela, ela estava com uma cinta com um pinto de borracha, não sei direito o nome disso. Eu estava exausta, totalmente mole. Meio choramingando eu falei: “não isso não, sou virgem” ela respondeu rindo que ela sabia disso. Me pôs de 4 na cama e falou: “deixa comigo, sua safada que vou cuidar direitinho de vc”. Me alisava os seios e alisava meu bumbum, brincava com seu dedo, o começou a passar saliva no meu cú. Me desesperei, falava isso não, não, por favor, não. Ela deu um tapa forte na minha bunda e falou fica quietinha. Começou a brincar com o dedo lá no meu buraquinho, punha na minha boca e depois passava nele, durante um tempão. Começou a me dar um comichão ali. “ta gostando né?” ela falou. Apontou o negácio de borracha e falou: “deixa ele bem relaxado”, mas na primeira empurradinha veio uma puta dor, falei: “para”. Ela falou: “faz força pra fora”. Ficamos assim um tempão, doía eu travava. Ela me deu mais um tapa na bunda e falou: “vc não sai daqui antes de eu comer ele”. Num determinado momento eu, bobiei e ela empurrou forte, entrou a pontinha. Chorei e amoleci, ela que é forte me segurou pela cintura e falou fica aqui, não ligando para minha choradeira foi empurrando tudo pra dentro. Começou um vai e vem, e eu chorando, ate um momento que começou a deslizar, nossa, parecia que eu ia rachar. E ela falava: “ta vendo que gostoso?, já perdeu o cabacinho do cuzinho” e ficava me perguntando: “ta gostoso?” com a outra mão alisava meus seios e meu grelo ate que veio um gozo maior ainda, aí apaguei de vez.

Quando acordei, ela já tava de roupão e eu pelada na cama com a bunda pra cima. Acordei sentindo uma dor enorme no buraquinho. Ela olhou carinhosa pra mim, rindo , veio me beijou na boca e falou: “Viu, não foi gostoso? Agora vc é minha cadelinha”. Eu estava envergonhada, queria sair dalí correndo, mas ela falou : “Não. Deixa eu dar uma olhada e ver como ele ficou” Me fez ficar de 4, abrir bem, e ficou olhando pra ele e rindo, falou que ele tava vermelho e inchado. Pedi pra ela me levar embora, ela enrolou um pouco, mas depois me levou até o ponto de ônibus, ela queria que me levar pra casa, mas disse que não, não queria misturar minha aventura com minha vida pessoal.

Essa foi minha primeira e única vez, esse relato aconteceu mesmo, e ainda não sei bem o que pensar sobre tudo isso, por isso gostaria muito deter contato com outras garotas que tivessem, claro, MAIS DE 19 ANOS, para poder ter alguma amizade aqui em Sp, estou muito sá e gostaria de fazer amigas aki, meu MSN é [email protected] . Por favor, não tenho menor interesse em homens e por isso não perca tempo.

VISITE NOSSOS PARCEIROS

SELEÇÃO DE CONTOS


Online porn video at mobile phone


contos eróticos de padrasto f******contos eróticos gay taxista Santarém Paráconto erótico eu e meu primo renatoconto vendo cunhada casada peladinhacontos minha esposa viu o garotode pau durocontos eroticos gay meu pai de vinte e tres anos me comeu dormindo quando eu tinha oito anoscontos eroticos gays come meu pai bebado mais o meu amigocontos eróticos eu putinha cavalacontos eroticos traiu o marido no onibuscontos eroticos pica grandeenrabado na cadeia contosminha primeira vez com vizinho gostoso-Contos eroticos gayconto a rainha dos biquiniscoroa c rabo deflorado contosfingi que dormia pra ver ela meter contosmenininhas 10 aninhos fudendo contossexoconto erótico tia dominada contos eróticos quando casei pedir por um descascador designar minha esposaCHOREI NA ROLA DO GENRO CONTOcontos fui acampa e virei cornoesfregando na mãe de shortinhoConto casada traiu em confraternizacaoViadinho Estuprado Na Frente Da Mãe no assalto Contos Eróticosquero ver travesti transando no abdômencontos camioneiro pau muito grossocontos eroticos madrasta empurra dedo nu meu cuContos erotico com equilina da minha patroacontos eróticos caseiros com o filho rapaz do patrãodei o rabo que choreimeus tios uma historia real 1conto erotica no carro idosaconto erotico o viadinho de calcinha e shortinho estupradocontos eroticos noivas.boqueterascontos eroticos submisso gayhttp://porno videos xx muhheres coroas dando os peitâo para chupalosmeu filho me encoxaram a noite bunduda,Contos eróticos rabudinha chorou na picacontos eroticos de padrinhos com afilhadas que engravidamContos eroticoseus.filhosContoe d orgias cadelinha e seu donogostei quando minha mulher contou que deu a buctinha para pedreiro roludocontos erótico eatrupei a meninatetas da sogra contoscontos erótico minha professora de fio dental conto erodico ladroescacetes grossos dentro da xota contosencontrei minha prima baixinha bunduda sozinha na balada contos eroticosContos erroticos de prinos e prinas sexoContos dormi na casa do amigoocontos eróticos bebadasou casada meu visinho novinho e. Lindo contoso homem abre a periquita da mulher e chupa e coloca um botijão dentro da vajinhame comeram contos teenvídeos pornô muller que esta usando vestido de veludo analcontos de coroa com novinhoConto erótico com neg CArnaval Antigo com muinto trAveco fazendo surubacoroas enfieins pornoconto erotico marido dividindo sua esposa com senhor seu paaaaporno oooooo vai vai aiii caralhoBebada me bulinaram contos eroticosviciada na pica do meu filhohistoria contos de sexovovo bulunado minha pepeca incestocontos de pagando com ocúCHOREI NA ROLA DO GENRO CONTOcomendo a tia dormindo contos eroticosmeus pais transando com minhas coisas do conto erótico pornôcontos eroticos mandei meu filho mete no meu cuzaover contos excitantes com fotos,na praia,no onibus e no mato.marido todo produzido eróticostransando com meu brothermulher passa muita margarina no proprio cucontos eroticos prima 32nosconto meu vizinho travesti comeu meu cuContoseroticoscomsogroso loiros bundas lisinhas ecabelos grande gay novinhosconto erostico cASALCOM UM MOLEGUE EM CASAconto erótico gay com muito estupro