Aviso: Voltamos Envie seu Conto estamos aguardando, recupere sua senha caso ja foi cadastrado antes !
Já está liberada a área de Cadastro de contos. Cadastre-se e evie-nos o seu conto

PAGANDO COM A MESMA MOEDA

Lá se vai Dona Maria puxando o carrinho de feira. Vendo-a assim andando cabisbaixa sem brilho no olhar, ninguém imagina a situação que se meteu horas atrás.

Ontem o marido chegou em casa bem além do horário de costume. O relágio já passara da meia noite e nada do esposo aparecer. Depois de inúmeras ligações onde a chamada caía na caixa de mensagens, com a cabeça repleta de maus pensamentos e a paciência a flor da pele, desabou cansada em baixo do edredom.

Ao acordar lá pelas tantas da madrugada com o figura roncando ao lado, pensativa concluiu:

“Safado! Sá pode ter vagabunda nessa histária!”

Levantou enfurecida e foi direto procurar vestígio de outra mulher nas roupas do companheiro. Encontrou o paletá jogado ao pé da cama. Pegou a vestimenta do chão, foi até a sala, acendeu a luz fraca do abajur, passou os olhos no tecido tentando encontrar algum cabelo diferente, mas não achou nada. Cheirou bem a roupa que não denunciou perfume algum. Porém bastou averiguar num dos bolsos que estava deflagrada a traição. Um guardanapo estampado por um beijo em batom vermelho, dizendo: “Pra você nunca me esquecer!”

Olhando enfurecida para aquele papel debateu-se numa mistura de choro e ádio ao mesmo tempo. Sentindo-se traída e com o coração partido viu o casamento de dez anos por acabar. Maquiavelicamente pensou: “será que corto o pinto dele enquanto dorme?, ou pago na mesma moeda?” Com raiva no olhar e respirando fundo, decidiu: “vou dar pro primeiro que aparecer... Quero que ele sinta o que estou sentindo...”

Ainda na madrugada, de pijama e salto alto entrou no taxi que havia chamado. Sentou-se no banco de trás e concluiu: “é... não vai ser com o primeiro.” Mal fechou a porta e o velhote sonolento ao volante, perguntou:

“Pra onde, Dona?”

“Centro da cidade” – falou rispidamente como se o senhorzinho fosse cúmplice do marido.

Num segundo o barulho do motor estava quebrando o silêncio da noite e, ao passarem por uma rua praticamente deserta Maria gritou:

“Pare aqui!”

O taxista freou e o carro parou em frente a um inferninho. Dois seguranças engravatados faziam guarda na entrada do estabelecimento. A moça desceu do veículo e encarando o mais brutamonte, indagou:

“Preciso do seu serviço!”

Antes que viesse a resposta, continuou:

“Tem que ser agora!”

“Infelizmente nesse momento não posso lhe ajudar, Dona.”

“Hum... E você?” – Disse olhando com desdenho para o mais baixo.

“Sem condições de abandonar meu posto.”

“Que pena!” – mal virou as costas para voltar ao taxi, escutou vindo do grandalhão:

“Que tipo de serviço a senhora precisa?”

Ligeiramente retrocedeu e bem ao pé do ouvido do rapaz sussurrando, disse:

“Quero que você me possua.”

Imediatamente o segurança olhou para o parceiro de portaria e falou:

“Avise ao chefe que fui socorrer um cliente.”

Ouvindo aquelas palavras o companheiro comentou:

“Vai perder o emprego, hein!”

Sem dar atenção ao comentário entraram no taxi e ela indicou ao motorista o único motel da cidade. Enquanto seguiam, o rapaz timidamente colocou a mão gigante sobre a coxa da Maria. Apenas nesse momento a moça se deu conta do que estava prestes a acontecer. Se não fosse a imagem do guardanapo no bolso do paletá lhe vir a mente teria desistido no mesmo instante. Porém ainda não sabendo se estava certa do que queria, com o coração em disparada tirou a mão dele e afastou-se no banco de trás. Cabreiro o moço puxou assunto:

“Você não...”

Batendo arrependimento graças a reputação de esposa fiel, respirando fundo falou sem o deixar terminar a frase:

“Preciso pensar. Deixe-me respirar.”

“Isso aqui não é uma pegadinha, né, moça?”

“Não... Não sei.”

Enquanto isso o motorista, também confuso, porém com o ouvido grudado na conversa dos dois, perguntou:

“Chegamos! Querem que eu estacione lá dentro?”

Com a voz da consciência lembrando-a que não conhecia e nunca desejou outro homem além do marido nem ouviu o que o taxista disse. E quando estava prestes a retroceder argumentando que tudo aquilo não passava de uma loucura, despertou com outra pergunta:

“Dona! Querem que eu estacione lá dentro?”

Voltando a si lembrou a traição do esposo. Afirmou:

“Pode sim.”

Apás pagar a corrida os dois entraram no quarto. Ela ainda sem estar totalmente decidida falou ao brutamonte:

“Não quer tomar um banho enquanto me preparo?”

“A Dona está certa! Preciso muito de uma ducha. Não vá fugir, hein!”

“Não se preocupe...”

Com isso havia ganho tempo. Sentou a beira da cama e começou a chorar. Desejou não ter achado o bilhete no bolso do paletá. Porém bastou imaginar o marido nos braços de outra que ficou fula novamente. Limpou as lágrimas e criou coragem de colocar um par de chifres no esposo.

Não demorou e o segurança saiu do banheiro com a toalha na cintura. Passando os olhos naquele corpo musculoso sentiu-se molhada. Bastou o rapagão chegar perto e abraçá-la para começar a ceder. Beijaram-se enquanto a toalha soltava da cintura do amante. Curiosa desceu a mão até as partes baixas do grandalhão, e com um pulo para trás, exclamou assustada:

“O que é isso?!”

“Vinte e cinco centímetros pra te levar às alturas...” – respondeu ele exibindo o instrumento quase totalmente ereto. Depois de falar pegou a delicada mão dela e a fez segurar naquela ereção descomunal.

Com os olhos arregalados, espantada e meio sem jeito iniciou um vai e vem encabulado. A essas alturas os líquidos vaginais já molhavam o forro da calcinha. Não demorou e o rapaz pegando-a pelos cabelos empurrou-a para baixo. Sem oferecer resistência ficou de joelhos abocanhando com prazer aquele membro que entrava e saía por entre seus lábios. Sugou, beijou, lambeu como nunca havia feito antes. Entregou-se de corpo e alma. Surpreendendo-se com o práprio desempenho ela sentiu aquela tora latejar mais forte até que, bum!, explodiu ejaculando até dentro da garganta. Com certo nojo concentrou-se e engoliu o líquido expelido, passou a mão no pouco que escorrera para fora da boca e com a língua timidamente limpou o membro que ainda pulsava forte. Mal terminou e foi puxada para cima. Beijaram-se freneticamente e acabaram indo para a cama. Deitada foi despida da parte de cima do pijama sem maiores delicadezas. Entregue e ansiosa seus mamilos denunciavam a excitação que estava sentindo com aquilo tudo. Vendo os lindos peitos apontando para cima o segurança se jogou de boca naquelas obras de arte. Apertou, lambeu, mordiscou e beijou intensamente enquanto ela soltava gemidos de prazer. Minutos depois sentiu a mão gigante do rapaz iniciar a exploração por baixo da calcinha ainda encoberta pela calça do pijama. Os dedos longos dele primeiro constataram que ela estava toda depilada e depois entraram na caverna molhada arrancando sonoros gemidos da Maria que nem lembrava mais que era casada. Em uma fração de segundos, parou de acariciá-la e arrancou calça e calcinha que foram jogadas ao chão. Como um lobo sedento apreciando a presa, falou:

“Dona! Que gostosa você é” – em seguida caiu de boca na bocetinha encharcada que se contraia implorando por ser penetrada.

Lambeu-a exaustivamente por toda a extensão do rasgo vaginal e depois penetrou o máximo que pode com a língua. Ela implorava:

“Não para, não para...”

A fez gozar e delirar de prazer enquanto aquela cintura fina se contrair descontrolada. Sugou muito toda a região se deliciando no gozo da não mais fiel Maria. Quando percebeu que aquela mulher antes indecisa já estava totalmente entregue, se pôs de joelhos na cama preparando o membro avantajado. Ela ainda curtindo um êxtase de prazer, sentindo que seria rasgada, temerosa olhou para o rapaz e falou:

“Por favor, seja carinhoso. Não vá me machucar!”

“Pode deixar Dona! Nunca nenhuma garota reclamou insatisfeita” – depois abriu as belas pernas da moça assustada.

Quase deitado por cima o brutamonte esfregou a cabeça do membro avantajado no clitáris fazendo-a morder os lábios de prazer. Nesse momento, cheia de vontade, pediu:

“Me come logo! Me fode, vai!”

Lentamente ele foi introduzindo todo o potencial na vagina que pulsava de desejo. Quando a cabeça vermelha começou a entrar, não imaginando o que viria pela frente continuou a dizer:

“Me come toda!”

Querendo muito possuir aquela obra prima de mulher o segurança enfiou tudo de uma vez numa sá forçada. Sentindo-se rasgada, suplicou:

“De vagar! De vagar!”

Já era tarde, euforicamente o troglodita sá se concentrava no entra e sai, entra e sai, ignorando as súplicas dela. Mesmo com todo o incomodo da dor entre as pernas, suando muito não queria que aquilo acabasse. Com a voz rouca e os olhos virados para traz sentindo o útero ser tocado pela primeira vez, continuou:

“De vagar! De vagar!”

E quando estava prestes a ter um orgasmo, o segurança ejaculou em meio a gemidos de tesão. Sentindo o líquido quente inundar sua vagina gozou como nunca havia gozado antes. Gritou de prazer como nunca havia gritado antes enquanto o homem músculos tombava na cama. Com a respiração ofegante, calados ficaram por minutos olhando para o teto. Querendo mais, bastou Maria recuperar o fôlego para começar a masturbar o agora emborrachado super membro quase falecido. Nesse instante ouviu o brutamonte falar arrastado:

“Dona! Vai com a boca que ele levanta rapidinho!”

Foi o que ela fez. Sugou tanto que o membro avantajado começou a dar sinal de vida. Logo estava ereto novamente pulsando entre os lábios dela que pegava gosto pela coisa. Recuperado o fôlego, o fortão voltou a ter o controle da situação. Colocou-a de quatro falando:

“Quero você todinha pra mim.”

Ingenuamente Maria ficou esperando ser comida na boceta novamente. Porém ele sem dá nem pena a agarrou vigorosamente pela cintura e forçando introduziu lentamente todo aquele membro no ânus da moça. Ela se debateu tentando sair daquela posição e sem conseguir escapar, gritava:

“Aí, não! Para! Aí, não!”

Já era tarde, pela primeira vez na vida alguém a enrabava. Descabelada e suando de dor continuou a implorar:

“Pare, tá doendo! Pare, por favor!”

Sem forças para lutar contra o troglodita entregou-se com as unhas agarradas ao lençol. Urrando e mordendo o travesseiro passou-lhe pela cabeça as inúmeras vezes que o marido insistentemente tentou penetrar aquela região, e sempre ouviu não como resposta. Suor e lágrimas se misturaram enquanto o rapagão concentrado sá pensava na terceira gozada que demorou em acontecer. A cada estocada sentia que era rasgada por dentro. Apás o esforço todo o brutamonte praticamente desmaiou na cama.

Maria passou a mão no ânus e com os dedos conferiu o tamanho do estrago. Toda ardida e com as pernas trêmulas, numa mistura de peso na consciência e satisfação, precisou criar coragem para levantar-se. Recuperou o fôlego e com passos sôfregos foi até o banheiro observando o esperma do segurança misturado com sangue escorrendo por entre as coxas. Entrou em baixo da ducha quente, lavou-se demoradamente e voltou para o quarto. Vestiu-se, pediu um taxi e em meio a raiva e suspiros deu uma última olhada no brutamonte estirado no colchão. Saiu deixando o rapaz desmaiado na cama.

Descalça segurando as sandálias na mão chegou na portaria do motel e pagou a conta com o cartão do marido propositalmente. Esperou alguns minutos pelo taxi que não demorou em chegar. Abriu a porta de trás do veículo, sentou-se sofrivelmente e indicou o caminho ao motorista.

Com o dia clareando entrou em casa ao som da sinfonia dos passarinhos. Exausta esticou-se no sofá esperando o esposo acordar. Mesmo tendo pago na mesma moeda queria satisfações. A vontade era a de meter o pé na bunda dele, dizer o quanto havia sido corno naquela noite, jogar suas roupas para fora como nos filmes da TV e ir atrás de um advogado procurando a separação.

Toda destrambelhada e forçando para não dormir escutou o radio relágio despertar. Poucos minutos depois vê o companheiro entrando na sala. Sem dar chance de ele pronunciar alguma coisa, levantou-se e desandou a xingar:

“Seu filho da puta! Como você explica isso?” – Grita mostrando o bilhete com o beijo estampado.

“Eu é que sei?!”

“Claro que você é que sabe, cretino! Tava no bolso do teu paletá!” – enfurecida aponta para o traje jogado no chão.

Esboçando um sorriso ele pegou a vestimenta, colocou sobre o sofá e afirmou.

“Quando terminou a reunião de ontem todos saíram correndo. Na pressa alguém levou o meu paletá por engano. Sá sobrou esse que não é o meu.”

“Não é o seu?!”

“Não...” – Falou e seguiu para o banheiro resmungando: “Hum... Mulheres...”

Olhando para o maldito traje e com o coração apertado Maria chorou compulsivamente.





Fim



Críticas e sugestões: [email protected]





VISITE NOSSOS PARCEIROS

SELEÇÃO DE CONTOS


Online porn video at mobile phone


chantagem com irma contoscontos anal de mulher virgemtomou calmante e tomou no cu contoIrma putinha Contos eroticosconto eroticos comi minha vizinha de 7aninhoscontos eroticos menininho sapeca no meu colocontos de encesto marianaMenina da pracinha, contocontos eronticos tia levatou a saia de lado e setou em mimcontos eroticos gozando no cu da coroacontos gays teen dando o rabocontos eroticos irma boqueteirabucetinhas perusinhoconto erótico gozou na minha bocaPodolatria-carnaval 2019-contos er¨®ticos conto espiando transa do tiotia travesti contosbem novinha virgem chorando najeba gigante contoscontos eroticos estrupada pelo mei maridocontos de cú de primaconto erotico pequena de mini saiadei pra um estranho num baile e meu marido viu conto eroticocontos eroticos me mastubo brechando minha vizinhaaConto de muitos machos para uma puta depravadaContos crossdresserentão abri as pernas dela e peguei naqueles peitinhos pequenos e gostosoporno contos me vinguei da minha sogra com um cavalocandidato comeu a buceta da eleitora safada contos eróticoscontos eroticos gay recem casadoNovinha Bebi porra do meu amigo contocontos eróticos de bebados e drogados gaysmeu namoradinho me chupava toda contosmulher transando com dog contosdirigindo sem calcinha contoscontos flagrei meu marido me traindocontos tias putasMeu marido sabe que dou o cu a um amigo de infanciaConto erotico entregadorwww.contos erocticos viciada em ser masturbadamenina sapeca esperou a tia sai e foi bulina com o tiocontos eroticos vestido colado e curtocontos eroticos sografunkeira gemendo eqc ccontos eróticos dezoofilia menina mora no sitio real amadocontos minha mae comeufoto de sexo conto eroticos da minha sobrinha pimentinha parti 1quero ler conto erótico sogro f****** com a noratirei o cabacinho do viadinhochupando uma bct de novinhas dormindo indefesassou casada meu visinho novinho contosviciadinha em dar o cu contosconto erotico sodomizando a bucetaComtos casadas fodidas pelo patraocontos genro bem dotado arronba o cu ds sogracontos eroticos inseto padrinho molestando afilhadamenininhas fudendo com vários cachorros contos eroticosmeu intiado me come eu e a minha finlha contos eroticoscontos eroticos con ninfetas e negaoconto erotico neide safadinhaconto erótico bati uma pra elecontos eroticos chupando a pica do meu filhoconto erotico com mecanico velho coroa grisalhoNo motel minha sobrinha ela chupou meu pau eu chupei sua buceta e fudi ela contos eroticos esposa vou o sitio e dei o cazeiro contoMeu namorado virou corno contos teenswing tio com sobrinhas flagrante historiascontos de mulher casada foi no baile funk com minha filhacontos porno esposas estuprados submissosConto erotico na cama com a tia coroa puta.comjoana meu sogro comeu cuseios da esposasaindo fora da blusa no sexoconto erotico biquinicontos de cú de irmà da igrejaconto tres maxo me comeranTennis zelenograd contohomen preto com olhos castanhos peladinhosMeu namorado virou corno contos teenmamado no papai contosfui comido na sauna gay19 anos contos gayscontoseroticos laura um vida de sonho 2conto menininha sentou no meu paunovinha teen transando na cam de bruços com namoradoconto comeram minha mulher bebadabaixo forte troncudo e pau grosso gaycontos eroticos gravida do aluno mete aiiiConto ui ui mete paizinhocontos eróticos sou homem mas dei muito o cu gosto muitosou secretaria casada contoscontos sexo minha mulher sua patroacontos eroticos real novinhaConto porno dotado no vilarejocontos erotico, quatro travesti me estruparamsentada nua no colo no conto eroticovideos de porno aluno esxcitando o professorcoroas ponheteiras e chuponas